12 de fev de 2014

BORA BORA

Ah, a misteriosa ilha de Bora Bora, flutuando ao sol da polinésia Francesa... Uma vida tranqüila, onde os homens saem para pescar enquanto as mulheres confeccionam jóias e preparam suas oferendas aos deuses.

Objetivo do jogo:
Acumular o maior número de pontos de vitória ao final do jogo.





Componentes:

- Muitos tiles, sendo 18 oferendas, 36 conchas, 12 peixes, 36 mulheres, 36 homens, 60 objetivos, 24 jóias, 7 ações, 10 Deuses, 24 construções, 4 ordens do turno
-1 tabuleiro de jogo
-30 cilindros de madeira (areia, pedra e madeira)
-60 cartas de Deuses
24 cabanas
16 sacerdotes
8 marcadores
12 dados
4 tabuleiros de jogador






O Jogo:
O mestre Stefan Feld prepara mais uma de suas artes neste jogo que é um complexo sistema de minigames. Usando mecânicas já conhecidas de outros jogos seus, ele as aprimora e equilibra, numa mistura bem dosada de sorte e estratégia, mas sem chegar a fundir nossos cérebros.

Cada jogador recebe um tabuleiro pessoal muito bem detalhado. Podem parecer informações demais no começo, mas depois elas se tornam ouro, numa mistura de depósito com player-aid. Mas vamos ao jogo.

tabuleiro do jogador

A cada rodada estão disponíveis 8 tipos diferentes de ação. Cada jogador deverá rolas seus dados e alocá-as nos espaços de ação desejado, sendo que o seu dado tem que ter o valor inferior ao dado que já ocupar aquele local. Sendo assim, se alguém alocar um dado de valor “1”, ninguém mais poderá entrar naquele espaço.
As ações vão desde conseguir ajudantes (masculinos e femininos), trocar itens no mercado, fazer construções, enviar sacerdote ao templo, expandir seu território na ilha e pescar.
Todas essas ações têm conseqüências importantes ao jogo que são resolvidas na fase de pontuação que encerra cada turno e que vão colaborar para a realização dos mini-games.

alocar dados para escolher ações

Outro detalhe interessante é que boa parte das ações estão relacionadas aos valores dos dados. Eles não servem apenas para se entrar no espaço que determina a ação, mas limita o tipo de ação que você pode fazer. Por exemplo, se você usa um dado de valor 4 para conseguir uma ajudante feminina, significa que você poderá escolher qualquer ajudante que esteja na casa do quatro ao um. Se o dado fosse de valor 1, você só poderia pegar a ajudante da casa um.

Esse detalhe torna as decisões muito mais difíceis, pois é preciso balancear os dados que você tem, que nem sempre são bons, com os dados dos adversários, as ações que tem em vista e as conseqüências delas! Mas, como estamos falando de euro, sempre existem artifícios para se contornar o fator sorte. É quando os deuses entram em ação, cartas com poderes especiais que podem ser usadas para alterar os valores dos dados, ou permitir que entrem em ações já ocupadas, etc. Os deuses ainda possuem outros dotes especiais para outras situações, e naturalmente, os favores não são gratuitos, devem ser pagos regiamente com oferendas saborosas.

poderosos deuses famintos

E, claro, que as ações tem conseqüências que se misturam e é preciso buscar sempre um equilíbrio. Ajudantes masculinos lhe dão tatuagens que te ajudam a subir no track de status. Mulheres dão conchas que permitirão comprar jóias. Ambos os ajudantes dão ações extras dos mais variados tipos. Mas, para poder alocar um ajudante, é preciso construir uma cabana na ilha. A escolha da cabana depende da sua capacidade de expansão (por terra e mar), que lhe rende matérias primas e comida. E por ai vai.

tabuleiro principal

Confuso ainda? Vai ficar mais fácil quando apresentar os minigames.

O jogo possui dois níveis de objetivos:

1) Objetivos obrigatórios  a serem cumpridos ao final de cada rodada:
No nível 1, ao longo do jogo teremos sempre três opções de tarefas a serem cumpridas. Ao final da rodada temos que conseguir cumprir uma delas. Caso seja cumprida satisfatoriamente, o jogador ganha 6 pontos de vitória. Se não conseguiu completar sozinho e usou a ajuda de um deus, ele ganha 4 pontos, mas se não cumpriu, não ganha nada. Uma nova tarefa entra para completar as 3 opções para a próxima rodada.



2) Objetivos opcionais a serem cumpridos ao final do jogo
Após as seis rodadas, é feita a contagem de pontos. Ganham-se pontos por tiles de deuses, pelos tipos de peixe que tem na sua cabana, pelas jóias que possui. Mas, também ganha 6 pontos de vitória por cada mini-game completado. São eles:

-conseguir completar 9 tiles de objetivo (explicados no tópico acima),
- possuir 6 tiles de jóias,
- estar com os 12 espaços de cerimônia preenchidos, seja com matérias primas (areia, pedra e madeira), seja com tiles de construção,
- tiver usado os 6 tiles de construção,
- tiver cabanas nas 12 regiões da ilha,
- tiver conseguido 12 ajudantes (mulheres ou homens).

Pode parecer muita informação, e não vou mentir dizendo que não é, mas o jogador que já inicia a partida com esses objetivos claros na mente, e focado durante todo o jogo tem muito mais chances de vitória do que os demais, pois não são apenas os pontos bônus, mas todos os pontos que acabou fazendo ao longo da partida para chegar a eles.

jogo em andamento

Não é uma tarefa fácil, mas é um objetivo perseguido pelos fiéis súditos de Feld a todo custo.

Considerações:
Num ano de grande atividade, Stefan Feld lançou 3 grandes jogos no mercado. Este foi o primeiro e chegou causando furor. Não a toa, pois é um excelente jogo e merece estar entre os tops de qualquer lista. Ele acertou em todos os quesitos, da arte ao design do jogo, com tabuleiros bem explicativos (uma tarefa difícil num jogo com tantas opções), sem se tornar um tema colado, conseguiu unir a temática às mecânicas. Desafiante e nunca cansativo, Bora Bora é, sem dúvida, um jogo do primeiro escalão.

Informações adicionais:
Autor: Stefan Feld
Ilustrador: Alexander Jung
2 a 4 jogadores
Acima de 12 anos
Tempo médio: 90 min
Valor médio: U$40
Publisher: Alea

[Resenha publicada originalmente na Ludo Brasil Magazine nº 35]

Nenhum comentário:

Postar um comentário