28 de abr de 2013

[ENTREVISTA] Alex Bykov - Bandai

O canivete suíço da Bandai

O versátil game designer Alex Bykov fala sobre 
Star Trek: The Original Series Building Deck Game 
e sua trajetória na Bandai 


Por Arnaldo V. Carvalho

O perfil de um game designer é o de trabalhar de forma independente ou Freelance. Alex Bykov é diferente. Ele é um funcionário contratado, e trabalha exclusivamente para a divisão de card games da Bandai - a terceira maior fabricante de brinquedos do mundo. Onde ela decide investir, lá está ele, o canivete suíço, com suas ideias e trabalho duro. Bykov mostra, nessa entrevista, e sua fala sempre no "nós", que veste a camisa, sabe trabalhar em equipe e jogar para o time. Sem dúvida, vemos aqui uma maneira peculiar de criar jogos, em relação ao que se vê no mundo dos jogos de cartas e tabuleiro modernos. Conheça mais sobre esse interessante processo de criação, e descubra detalhes exclusivos sobre Star Trek: The Original Series BDG e a personalidade do designer por trás do jogo. Com vocês, Alex Bykov!



DB) Trekker, certo?
Surpreendentemente eu nunca me interessei por Star Trek quando fui selecionado para desenhar este jogo. Desde então eu assisti todos os files e vários episódios do seriado, para ajudar-me a entender o ambiente, e desde então eu curti a beça. Felizmente um de meus colaboradores e amigos é um super Trekkie então ele me ajudou muito a dar o sabor do jogo e garantir que ele seria amado pelos Trekkies.  

DB) De onde surgiu a ideia da criação do jogo?

Bykov - Estávamos buscando por uma grande marca que estivesse disponível e então nos deparamos com Star Trek. Um de nossos designers era um grande fã do Star Trek então ele deu o empurrão para isso. Uma vez que nós decidimos pelo Star Trek então todos nós começamos a desenhar nossas próprias ideias a respeito de como o jogo deveria se parecer, e a minha foi escolhida tanto internamente como por testadores externos. Ela evoluiu a partir daí. 
DB) Um dos aspectos mais satisfatórios em Star Trek: TOS BD é o cuidado que foi tomado para tornar cada carta temática em seus efeitos, o que é aparente aos fãs da série. Conte para a gente sobre o processo de design por trás desse aspecto. Por exemplo, você tomava notas enquanto assistia os episódios de TOS com a intenção de criar cada uma das cartas?
Bykov - Uma vez que decidíamos o que ou quem estaria numa carta, então pesquisávamos sobre ela nos episódios e online, e então decidíamos que texto encaixaria melhor na carta e bateria com o tema.  

DB) E quanto as estatísticas e escolha de que personagens secundários entrariam? 
Bykov - As estatísticas foram balanceadas de acordo com o tempero (características) do personagem bem como os temas que nós queriamos que existissem no jogo. Os personagens secundários foram escolhidos de acordo com sua popularidade na série, bem como sua presença (participação). Como alguns dos personagens que nós inicialmente queríamos não estariam disponíveis para o jogo, nós tentamos dar nosso melhor para incluir tantos personagens conhecidos como pudessemos. 

DB) Trazer velhos inimigos numa mesma ponte de comando. Esse tipo de contradição temática pode ter representado um problema no momento do design? Conte para nós sobre possíveis conflitos tema x mecânica que você encontrou no processo de criação.  

Bykov - Star Trek não é uma série simples, ela é bastante profunda então nós quisemos um pouco dessa complexidade no jogo. Nós queríamos que o jogo representasse esse aspecto apropriadamente; todavia, é um jogo e ele não pode ser tão complexo ao ponto de assustar novos jogadores. Enquanto nós considerávamos fazer mais regras para manter as pontes do Show equiparadas ao que você poderia assistir na TV, nós decidimos que o jogo interpreta o show mais do que simplesmente replica os eventos da série. Então, enquanto Kirk e Khan podem nunca ter trabalhado juntos na série, nas situações mais extremas poderíamos imaginar que eles poderiam possivelmente trabalhar juntos se um mal maior surgisse. 
  
Enfim, nós decidimos que seria ok nos movermos além dos limites do seriado, e imaginar que algumas coisas poderiam acontecer mesmo que não tivessem sido retratadas nos episódios. Tivemos ideias sobre como restringir personagens para não misturar com outros personagens incomumente casáveis mas nós sentimos que isso ia ser muito complicado e criaria um monte de regras e restrições sobre quem pode estar com quem. 

DB) Pike e Number One não são personagens da tripulação regular de Star Trek, sendo de uma geração anterior substituida por Kirk, Spock e Cia. Eles estavam planejados para ser parte das cartas desde que o projeto do jogo começou?

Bykov - Sim, nós quisemos incluí-los porque eles foram os primeiros e sentimos que nós deveríamos tentar representa-los no jogo. Eles podem não ser os mais queridos, mas se não fosse por eles, então o show talvez não existisse. 
DB) Você conhece alguem que coloca Palmer (a carta do personagem) em seu deck? 
Bykov - Nem sempre ela vai ser a escolha número um, mas as vezes você tem que dar aos personagens uma chance e eles podem surpreender você. 
DB) QUal é a versão favorita dos Star Trek Building Deck que vocês já produziram?

Bykov - Eu gosto do primeiro jogo lançado, The Next Generation Premiere Edition. Eu sempre amei o Cenário Borg nesse jogo e o fato de haver três grandes maneiras de se jogar. 
DB) Há algum tipo de expansão a caminho? Se sim, ela vai incluir apenas novos personagens e missões ou também novas variações do jogo como a das infecções encontradas no core set?"
Bykov - Não temos nada anunciado até aqui. 

Bykov ao centro com a equipe Bandai
DB) Você trabalha exclusivamente para a Bandai? Conte um pouco para a gente sobre a companhia, sua história e sua relação com ela. 

Bykov - Sim, atualmente trabalho exclusivamente na Bandai. Eu comecei na Bandai como um tester com o Dragonball CCG porque eu era fanático pelo Dragonball. Meu papel depois cresceu para My role later increase to R&D onde eu me envolvi com Naruto CCG, Battle Spirits TCG, e outros projetos de cartas. Eu fiquei muito empolgado em mover para o campo dos  Card/Board Game quando nós decidimos desenvolver esses jogos. Eu ajudei com o Resident Evil DBG e quando chegou o momento de fazer um Star Trek DBG, eu tive sorte suficiente de ter meu design selecionado. Desde então eu tenho trabalhado em todos os Star Trek DBG’s, bem como dado minha colaboração em nossos outros projetos R&D. Eu vim com um histórico em ciência da computação, então eu também tomei papel como líder em vários dos websites e páginas em redes sociais que nós temos para nossos jogos. Eu estou na Bandai há quatro anos e estou feliz com o quão longe já fui. 
DB) Quanto tempo levou na fase de teste?
Bykov - Nós testamos o jogo por vários meses dentro de casa e tinhamos alguns grupos de teste em outros estados experimentando o jogo nesse mesmo tempo.
DB) Quem foi o responsável pela arte do jogo? Você teve alguma interferência nessa área? 
Bykov - Para as cartas em si, nós escolhemos a arte dos episódios da TV, e temos um designer gráfico fantástico que criou as cartas a partir daí e desenvolveu a caixa e o manual inspirado no estilo dos guias de Star Trek. 
DB) Os compradores do jogo são compostos principalmente de gamers, trekkers ou o que? Isso corresponde com suas expectativas? 

Bykov - Muitos consumidores tem algum amor por Star Trek mas o jogo é desenhado para ser curtido por qualquer um que simplesmente curta jogos de tabuleiro. 
DB) Você se apresenta no site da Bandai com a frase: "o canivete suíço dos empregados, pia da cozinha e tudo mais". Você pode nos contar mais sobre isso?

Bykov  - Eu amo aprender novas habilidades e tentar a minha mão em qualquer coisa que surja no meu caminho.  Eu gosto de pensar que posso me adaptar a qualquer situação e consertar qualquer problemas que encontramos. 

DB) "Bykov". Você tem a mesma origem russa do Chekov? Algum carinho especial pelo personagem? :)

Bykov - Sim, venho de uma família de origem russa, então eu compartilho isso com Chekov. Mas eu não tenho aquele acento maneiro que ele tem. 
DB) Você já conhece o Brasil? Qual é a sua impressão?
Bykov - Eu não posso dizer que conheço muito do Brasil, mas fico muito feliz de saber que meu jogo está indo tão longe e há por aí fãs que gostam do jogo tanto quanto eu. 

DB) Então mande uma mensagem para nossa comunidade e todos os seus fãs no Brasil! 

Bykov - Só quero agradecer a todos que curtiram os Star Trek Deck Building Games, eu realmente torço que tenha feito algo que traga diversão as pessoas que os joguem. Obrigado por apoiar o jogo. 
Rápidas
Nome completo: Alex Bykov
Idade: 28
Apelido de infância: Goku (contudo ninguém de verdade me chamava assim, mas eu mesmo sim!)
Jogo favorito (criação própria) : Star Trek TNG Premiere
Jogo favorito (em geral): Eu curto o Carcassone no meu telefone.
Comida favorita: Jamba Juice Smoothie
Personagem Star Trek favorito: Kirk
Carta favorite do Star Trek: TOS DBC: Spock do mal
Alex Bykov ST_TOS Building Deck Card: (coloque aqui as estatísticas e o efeito se você fosse uma carta de personagem do jogo!):  10 | 10 | 10 | 10  - Sou invencível! 



***

Arnaldo “Arnie” Carvalho, 37 anos, é terapeuta e boardgamer, criador do Niterói das Peças. 

Um comentário: