21 de fev de 2013

Tournay

Por Fabrício Mello

Pouco tempo depois do lançamento de Troyes, o mesmo time responsável por aquele jogo deu-nos Tournay (2011), inspirado agora numa cidade belga homônima historicamente relevante. A mesma arte quadrinista-medieval de Alexandre Roche ilustra este jogo, a ponto de fazer algumas pessoas pensarem que se trata aqui de uma mera expansão de Troyes (expansão que, aliás, acaba de ser lançada, The Ladies of Troyes). Se eu quisesse provocar uma amiga minha, eu descreveria Tournay assim: Race for the Galaxy em fantasia medieval e com colocação de trabalhadores. [Renata: ¬¬"] 


Em Tournay, os jogadores compram ao longo do jogo, cartas de baralhos especializados e, aos poucos, pagam para baixar essas cartas de maneira a formar um tableau individual de 3 por 3 cartas que, se bem colocadas, interagem e tornam-se uma máquina geradora de pontos de vitória. Essas cartas têm poderes que são descritos numa linguagem iconográfica e precisam ser ativadas através da colocação de trabalhadores civis, militares e eclesiásticos, assim como acontecia em Troyes. Os trabalhadores são em número limitado e precisam ser periodicamente reconvocados pelo jogador à sua praça central, que nada mais é do que uma carta eu fica à parte do tableau. As cartas melhores e mais caras são aquelas que multiplicam a pontuação do jogador e também dos seus adversários, segundo o que cada um construiu. Por isso, a vitória em Tournay demanda mais do que a construção de um tableau eficiente: ela exige observação constante daquilo que os adversários estão construindo. 


Eu argumentaria que Tournay, apesar de ser "apenas" um jogo de cartas, sem tabuleiro ou dados, é um jogo mais exigente do que o seu irmão mais velho Troyes. Naquele, o problema central é como melhor colocar os dados nas cartas de atividades que são comuns a todos os jogadores. Assim, de certa maneira, se por um lado o "tableau" de Troyes é mais complicado do que em Tournay, por outro lado ele é também um só tableau, comum a todos os jogadores. Em Tournay, o jogador para ter sucesso precisa atentar para vários conjuntos mutáveis de cartas ao mesmo tempo, o seu tableau e os dos adversários. A curva de aprendizado é íngreme, mas compensadora. Tournay é um jogo tão belo e intrigante quanto o seu antecessor, mas mais econômico em tempo e pelo menos tão satisfatório intelectualmente. Em originalidade, Troyes ainda ganha.


Outras informações:
2 a 4 jogadores
60 minutos
Acima de 12 anos
Valor médio U$45

Nenhum comentário:

Postar um comentário