21 de fev de 2013

Strasbourg


No século XV, Estrasburgo era uma cidade livre e autônoma do Império Romano-Germânico. Durante toda a sua história, esteve em disputa entre Alemanha e França, e hoje pertence a esta última. Mas, naquele período, tornava-se expoente na região com a construção de sua imensa catedral, ainda hoje uma das maiores do mundo. Esse perfil se reflete no jogo Strasbourg, em que os jogadores representam famílias em ascensão procurando espaço na influente corte.

Objetivo
Conseguir o maior número de pontos de vitória cumprindo as cartas de objetivos secretas, um bom controle de área da cidade e alguns privilégios reais.

Componentes
1 tabuleiro
5 tiles de rodada
1 sumário
5 telas de proteção dos jogadores
150 cartas, sendo: 5 cartões de resumo; 25 cartas de objetivo; 120 cartas de influência
30 tiles de bens
10 tiles de privilégio
40 moedas
75 meeples
5 marcadores de prestígio
1 marcador de rodada
1 marcador de jogador inicial
5 tiles de edifícios
5 capelas

Componentes de excelente qualidade, desde os marcadores e meeples de madeira, ao tabuleiro, tiles e cartas. Arte simples e objetiva, com características tanto históricas quanto da região, como vemos através dos bens (pretzels, barris de cerveja, etc). O tabuleiro é muito bem dividido entre as três áreas de ação do jogo, num design elegante. Manual de regras bem ilustrado e explicativo.

O Jogo

Strasbourg é um jogo de influência em todos os sentido, e são três áreas em que isso é possível, como visto no tabuleiro, a corte, o mercado e a cidade. Cada jogador recebe cartas de objetivo secretas, e deve decidir com quais ficará. Esses objetivos nortearão toda a sua estratégia ao longo do jogo, e é preciso cumprí-los, pois caso contrário, a penalidade é em perda de pontos de vitória.

Definida a sua estratégia, ele deve procurar, primeiramente, influenciar a realeza, a igreja, e as áreas de produção de bens e artesanato, incluindo o sistema bancário. Por cada área influenciada, recebe-se um tipo de benefício, que podem ser privilégios reais e pontos de vitória.

A segunda área de atuação é disputada por leilões. São cinco rodadas disputando bens e serviços. Cada jogador deve planejar quantas cartas usará em cada rodada. Essas cartas contém os lances que ele dará em cada item. Como não há cartas suficientes para se participar de todos os itens, ele deve decidir, baseado nos seus objetivos, quais itens disputará. Para itens como bens, o jogador pode conseguir influencia na corte, tiles de bens e o direito de construir na cidade. Para serviços como banco, apenas um jogador consegue o direito de vender bens. O último leilão permite ao jogador colocar o prédio da rodada na cidade. Ele pode colocar em um local a sua escolha, favorecendo a si próprio e/ou não aos outros.

A terceira área do tabuleiro é a cidade, que está dividida em cinco regiões, de acordo com os tipos de bens produzidos. Assim como os bens, ela possui uma valorização crescente do pretzel à armadura. Quando se participa de um leilão de um bem, pode-se ganhar o direito de construir na cidade, ou seja, colocar um meeple numa área da cidade referente ao item leiloado. Paga-se o valor da região (de 0 a 5), e aloca-se o meeple. A localização desses meeples é extremamente estratégica, pois determinará seu domínio de área e sua principal fonte de pontuação para a vitória. Quanto mais meeples ao lado de prédios e capelas, melhor.  Sem, claro, se descuidar de seus objetivos. Muitas vezes, é possível fazer “combos” com os objetivos, de modo que um auxilia na execução do outro. 


Após as cinco rodadas (cada coluna de leilão), é feita a contagem de pontos, revelam-se as cartas de objetivo e determina-se o grande vencedor.

Comentários
Strasbourg possui um dos melhores sistemas de leilão integrado ao jogo, permitindo um  bom controle sobre os votos e bom planejamento prévio de quais itens irá participar.
Uma dica importante é prestar atenção na repetição dos itens ao longo das rodadas. Como o controle de um determinado item (área de influência 1) lhe permite ganhar pontos a cada rodada, mesmo que ele não seja importante para você, vale a pena ganhar o leilão apenas para ocupar o local de privilégio.

Controle de área – devido aos diferentes tipos de objetivos secretos, o controle de área torna-se subjetivo e menos intuitivo, dando um maior grau de dificuldade na leitura do jogo adversário e revelar muitas surpresas emocionantes.

Outra mecânica exigida pelos objetivos é a de set colection dos bens, que podem lhe propiciar de dinheiro a pontos de vitória.

Os Privilégios, ou o famoso pulo do gato, é aquela ajudinha quando mais se precisa. Quer deixar um leilão emocionante? Use um privilégio para ser o último a dar um lance, a mesa vai a loucura! Principalmente quando mais de um jogador o faz. E no final do jogo ainda rendem pontos de vitória.

Com todos esses elementos, Stefan Feld fez um dos jogos destaques de 2011, garantindo sua indicação ao Jogo do Ano alemão, num ano coroado de estrelas. Com um excelente tempo de duração e permitindo partidas extremamente disputadas, é sem dúvida uma peça chave em qualquer coleção. Feld vem se destacando no cenário lúdico, com pelo menos um grande jogo ao ano, de Notre Dame a Trajan, passando por O Nome da Rosa, Macao, The Castles of Burgundy, entre tantos outros.

Infos
3 a 5 jogadores
60 min
Acima de 12 anos

[Resenha publicada originalmente na Ludo Brasil Magazine nº 23]

Nenhum comentário:

Postar um comentário