6 de dez de 2012

O Campeonato que foi... ou não foi?

Eis que num belo dia, Warny resolve propor um campeonato de 7 Wonders. Já havíamos conversado algumas vezes sobre fazer "campeonatos" entre a turma, tirar um ou dois dias para fazer uma série de disputas e ver quem realmente é fera em determinado jogo. Quando ele propôs isso esta semana, fiquei super empolgada, mais pelo evento em si do que pelo tema. 7 Wonders (e sei que vou ser massacrada agora) realmente não me empolga muito. E embora a maioria diga o contrário, não demorou a rolar uma debandada para outros títulos. Enfim, Warny definiu que o "campeonato" seria num ritmo mega-light ao longo do ano, então: desencanemos. Quando rolar, rolou.

Enfim, sim, começamos os trabalhos com a partida inicial de 7 Wonders com a expansão Leaders e vários tabuleiros promos. Na mesa Lu, Warny, Victor, eu e Fabiana, que compareceu arrastada contra a sua vontade (que era aproveitar a praia num fim de semana típico de sol). Uma das regras do "campeonato" é não repetir tabuleiro, então, nosso juiz está anotando todas as nossas escolhas.

Eu estreei o tabuleiro promo Manneken Pis (A) que é bem interessante. Além de começar o jogo com mais 4 dinheiros, as minhas maravilhas copiavam os efeitos das maravilhas dos vizinhos (neste caso, da Fabi e do Victor). Já o lado (B) tinha apenas um nivel de maravilha ultra-mega-bombástica que fiquei com medo de não dar conta, e dava uma pontuação absurdamente boa incluindo uma cerveja mexicana (!?!??!).



Foi uma partida com bastante escassez de matéria prima, o que gerou um xingamento coletivo, cada hora partindo de um lado. Ninguém reclamava consigo mesmo: "poxa, eu não investi em recursos", era sempre "caramba, fulano, por que VOCÊ (vizinho) não investiu em recursos?". Básico :P

O segundo ponto básico sempre era: BLOQUEIE AS CARTAS DE CIÊNCIAS (verdes) DO WARNY!!!! Ele é uma máquina de fazer combo, vocês não tem idéia. Fabi que estava com a maravilha da Babilônia que tem o bônus da ciência nem teve chance. Warny conseguiu simplesmente uns 3 ou 4 Leaders que facilitaram sua vida nesse quesito, um monstro! O que teve de carta verde virando maravilha não foi brincadeira!

Entre mortos e feridos, a partida teve um excelente resultado. Pela primeira vez, independente da colocação que tivesse, eu sentia que tinha feito uma boa partida, equilibrada (para os meus padrões) e fiquei satisfeita. O consenso geral parecia ter sido esse, o que é bem raro de acontecer, afinal, em qualquer jogo, sempre tem quem não fique satisfeito. E o placar mostrou isso, super equilibrado, com todos bem próximos na pontuação, e com um campeão inédito! Melhor, dois campeões! Empate entre Lu e Warny! Parabéns!

Colocação:
Lu e Warny 61 pontos
Fabi 57 pontos
           Renata 55 pontos
          Victor 53 pontos


Acabada a partida, o restante do pessoal chegou, Daniel, Gian e Tati. Após muita discussão de quais mesas seriam montadas pois mais da metade queria estreiar o Tzolkin (eu, eu, eu, gritavam todos), justo ele acabou ficando de fora para não semear a discórdia.

Lu, eu, Tati e Gian ficamos com Terra Mystica, enquanto Fabi, Victor e Warny ficaram com Dungeon Lords (após desistência do Daniel aos 45 do segundo tempo). 


Terra Mystica é um grande conglomerado de regras de jogos conhecidos, que unidas, tornaram-se um outro grande jogo. A temática, que poderia ser super interessante, pura fantasia, se perde entre as mecânicas e passa apenas a distinguir cores. Mas não se desiluda, é um grande euro, destaque entre os lançamentos deste ano.


Minha personagem era a Sereia, que me dava o poder de "avançar" sobre a água criando uma adjacência territorial. Tati era nômade, e iniciava a partida alocando 3 casas, e depois poder conformar terrenos a seu favor. Já a Lu era o oposto, Maga solitária, só podia alocar uma casa no início, em compensação, seus benefícios eram mais baratos, entre outras coisas. Gian era a Bruxa da floresta, e podia colocar casa em qualquer floresta mesmo não estando adjacente.

Inicio do jogo, todos as peças são alocadas sobre o tabuleiro pessoal.
Cada um de posse de seus poderes especiais, começamos a partida bem equilibrada. Apenas a Lu já havia jogado, então estávamos conhecendo os detalhes do jogo (que são muitos) e pentelhamos muito o Victor com perguntas. Mas o campeão do "mimimi" foi o Gian, sempre se achando inferior às mulheres da mesa. Tudo t-e-a-t-r-o! O salafrário estava muito bem, se manteve assim e no final ainda deu uma disparada na pontuação pra nós três comermos poeira. O final ficou emocionante com uma disputa pela maior cidade entre mim e Tati. Foram algumas jogadas até que, sem mais recursos, empatamos e dividimos os pontos.


De "gentleman" a Rei do "mimimi".

Colocação:
Gian 90 pontos
Renata 85 pontos
           Tati 82 pontos
           Luciana 74 pontos






Enquanto isso, na outra mesa, Victor, Fabi e Warny jogavam Dungeon Lords com a nova expansão Festival Season.

Victor e Fabi empataram, mas ele concede a vitória moral a ela.



demônios das masmorras!

Enquanto a partida deles não terminava, Gian puxou um baralhinho pra ensinar poker pra Lu. Foi super rápido, enquanto lanchávamos, e bastante divertido. Ela logo perdeu o medo com as apostas de mentirinha e a disputa ficou quente! A mesa dos meninos terminou, então, para não demorar mais, eu e Lu fomos de "all in", apostando todo nosso falso e pobre dinheirinho! Ela com um belo jogo, eu com um mísero par: tudo pela diversão! Muito bom, muitas risadas!

Gian, Tati e eu nos despedimos, e os outros quatro ainda encararam a mesa de Tzolkin. Segundo relatos posteriores, o pessoal já estava bem cansado, e a partida não foi tão emocionante.

E a campeã foi a Fabi, mesmo dormindo sobre as engrenagens.

Valeu muito rever a turma depois de tanto tempo!

Não deixem de acompanhar o Campeonato Whatever de 7 Wonders na página correspondente :P


Nenhum comentário:

Postar um comentário