3 de nov de 2012

5 anos de Castelo das Peças



Dia 29 de setembro celebramos 5 anos do Castelo das Peças na sua 58º edição. E prestigiando o evento, a galera compareceu desde cedo pra dar aquela força pro Shamou! Não foi um dos dias mais movimentados, mas ocupamos todo a área reservada, com direito a presenças de antigos ilustres, como Arnie, aqui de Niterói, seja bem-vindo de volta a turma!





Zombicide
1 a 6 jogadores / +13 / 60 min

Zombicide é um jogo cooperativo em que os jogadores assumem o papel de um sobrevivente - cada um com habilidades únicas - e devem aproveitar os seus conhecimentos e poder do trabalho em equipe contra as hordas de mortos-vivos sem pensar! Zumbis são previsíveis, estúpidos, mas mortais, controlados por regras simples e um baralho de cartas. Infelizmente para você, existem muito mais zumbis do que você tem balas.

Assim que cheguei, o Rodrigo estava com a mesa pronta pra começar a matança zumbi. Indo contra meus instintos de sobrevivência, perguntei se ainda tinha uma vaga. E acreditem, embarquei na primeira partida de jogo zumbi da vida (porque Zombi Dice não conta). [PS. Dani Malavasi, você PRECISA jogar este!]
 
Basicamente, cada jogador tem 3 ações por turno, que podem ser andar, pesquisar em busca de itens e atacar zumbis com dados. Depois que todos jogarem, os zumbis andam 1 espaço em direção ao grupo ou onde tiver mais barulho, e novos zumbis são colocados no tabuleiro. Existem quatro tipos de zumbis, todos com miniaturas detalhadas, e o tipo básico ainda possui várias diferentes. Até eu surtei com esse capricho. O cenário pode ser composto de diversas formas diferentes garantindo rejogabilidade.

Numa primeira tentativa, abrimos os dois prédios laterais de uma vez, para aparecerem menos zumbis. (conforme os jogadores evoluem o XP, aparecem mais mortos-vivos.) Mas morremos logo de cara. Então resetamos para uma segunda partida, sem mudar o cenário, nem os personagens dos jogadores.


Agora mais cautelosos, conseguimos sobreviver um tempo maior. Abrimos somente um prédio lateral e subimos matando as criaturas. Mas, num determinado momento, muitos se acumularam do lado de fora, e o grupo precisou se dividir, uma parte no centro do tabuleiro, outra tentando abrir o segundo prédio, e eu tentei aproveitar um caminho momentaneamente livre pra pegar um objetivo difícil e... acompanhem as fotos!
 
1- atravessei a rua pois não tinham zumbis. Mas logo eles apareceram. Mas ainda dava pra tentar continuar.

2- então saiu a carta de bueiro e runners (que se movem mais rápido) e me vi cercada por uma horda completa!
Morri x__x. Depois disso, o pessoal que havia aberto o segundo prédio também se estrepou, porque já estávamos com alto nível de XP, e pipocaram vários mortos-vivos! André tomou o carro da polícia e se jogou contra os zumbis do meio. Leandro fez o mesmo com os que vinham por trás. Mas não deu, fomos sufocados e nos convertemos em carne pútrida também.

Ótimo jogo. A simplicidade da ação equilibra bastante com a complexidade de se matar esses vermes, e tudo depende da estratégia de ação, visto que não mudamos o cenário nem os jogadores, e tivemos duas partidas distintas. Entrei para o rol dos que passaram a admirar o jogo mas que acha que ele ainda está bem caro.A cópia do Rodrigo foi via Kickstarter e valeu mesmo a pena. Excelente qualidade de componentes.



Wiraqocha
2 a 4 jogadores / +12 / 60 min 


 Início do século XX alternativo. Uma nova terra é descoberta, e com ela, um grande tesouro! A imperatriz Victoria convoca os melhores exploradores para desbravá-la e trazer suas riquezas à Inglaterra.



O Vale de Wiraqocha é representado por por 22 tiles hexagonais, sendo cada um deles identificado por um número de 1 a 12, ou uma combinação de dados. Em seu turno, o jogador lança alguns dados de seis lados, combinando-os para tomar posse de territórios, ou para protege-los dos adversários. Cada hexágono oferece recursos ou capacidades especiais, que são meios para influenciar os resultados dos dados e adequar a estratégia de cada um. Há três formas de ganhar: trazer de volta uma carga enorme de Somnium à Imperatriz; adquirir conhecimentos científicos suficientes para a construção do Leviatã (uma arma terrível que serve o Reino), ou encontrar nas profundezas do templo quatro relíquias que lhe permitirá alcançar o tesouro de Wiraqocha.


Comprei esse jogo do Fel (como sempre trazendo novidades) e gostei muito. Apesar de propiciar bastante combate, o que costumo evitar, me chamou a atenção por vários motivos, pela arte, pelo uso inteligente dos dados no controle de área, pelas várias formas de se ganhar, entre outras coisas. E mereceu resenha na Ludo do mês passado. 

Além disso, me fez matar as saudades dos queridos Gian e Tati e jogar com o Hélio. Foi uma partida um pouco lenta no início, pois sempre sou sem jeito para explicar as regras, mas aos poucos fomos pegando as manhas. Hélio já tremulou a bandeira de guerra logo de início, e se ele não me marcasse tanto, teria conseguido cumprir um dos objetivos. Enquanto isso, ele mesmo ganhou dianteira e garantiu uma bela vitória.

Hive
2 jogadores / + 9 / 20 min

Chamado de xadrez moderno, o jogo explora a forma de uma colméia, onde a rainha seria o rei, e os demais insetos os outros personagens do xadrez. Um clássico que sempre tive vontade de jogar e que o Fabrício levou para o Castelo. Jogamos duas partidas. Sempre gostei de xadrez, mas não tenho muita paciência para pensar em todas as estratégias possíveis com algumas rodadas a frente. Duas vitórias merecidas para o Fab! Joga muito!


Eu encerrei os trabalhos e fui jantar. Enquanto isso, André, com quem já tinha jogado o Zombicide mais cedo, assumiu meu lugar e travou dois duelos homéricos com o Fabrício! Sem brincadeira, deu tempo de jantar e acompanhar a explicação do Peter do Galaxy Trucker e eles ainda não tinham terminado! Duelo de Titãs no Hive! [só não lembro quem ganhou :( ].



Mais um post devido, pago! ;) E muitos anos mais para o Castelo! Hip hip hurra!


Nenhum comentário:

Postar um comentário