27 de jun de 2012

Dragonheart

Dragões, cavaleiros, trolls, anões, princesas e personagens de fantasia outros compõem o mundo de Dragonheart (Coração de Dragão). Dragões estão à procura de tesouros, é claro, mas eles estão sendo perseguidos por caçadores de dragão, e esses são os dois lados que se enfrentam neste jogo.

Objetivo do jogo:
Acumular o maior número de pontos com as cartas conquistadas.




Componentes:
1 manual de regras
1 tabuleiro
1 miniatura plástica de dragão
100 cartas (2 decks)


O Jogo:
Em seu turno, o jogador deve jogar uma ou mais cartas do mesmo tipo no tabuleiro e imediatamente repor o número de cartas na sua mão, tendo sempre um total de cinco cartas, exceto quando estiver de posse do dragão (miniatura) quando poderá manter seis cartas na mão.

Cada carta possui uma ação e conseqüência especial, e são essas ações que permitirão ao jogador conseguir ganhar seus pontos. Analisando o tabuleiro, você poderá entender melhor essa seqüência de ações:



Da direita para a esquerda, o Caçador (arqueiro) coleta as cartas do Dragão, que rouba o Tesouro no penhasco, que também pode ser pego pela Feiticeira (a cavalo). Esta tem de optar pelo tesouro ou pelo Dragão Petrificado. O Troll pega as cartas da Feiticeira, e o Cavaleiro escolhe entre a Feiticeira e o Troll. Os Mineiros “cavam” suas próprias cartas e o Navio recolhe as cartas do Caçador e do Cavaleiro.

Obter o poder do Dragonheart (quando a Feiticeira ganha a carta do Dragão Petrificado) dá ao jogador uma grande vantagem (1 carta adicional na mão e 3 pontos no final do jogo).


Algumas cartas de efeito imediato, outras precisam ser acumuladas, e podem ser feitas em turnos diferentes. A princípio parece muito simples de se traçar uma estratégia, visto que é uma reação em cadeia, mas cada jogador possui um deck de cartas aleatórias, então, ele precisa saber usar a combinação de cartas daquele momento da melhor maneira possível, e é nessa hora que, às vezes, as sorte não contribui.

Os três rounds que definem o tempo da partida ocorrem quando são jogadas as cartas de navio. A cada 3 cartas de navio no tabuleiro, é findo o round. Na terceira vez, o jogo termina. A outra maneira é quando acabam as cartas de um dos jogadores.

Quando usar uma carta de isca? Quando arriscar tudo? Como o jogo é para duas pessoas, torna-se fundamental analisar a forma como o outro jogador se comporta, pois podem acontecer jogadas de blefe. O perfil do oponente e seu modo de agir pode mudar toda a sua própria forma de jogar, definindo uma partida mais agressiva, ou mais rápida.

Considerações:

Dragonheart é uma boa opção de jogo rápido para duas pessoas. Ótimo para passar o tempo, e emendar várias partidas em seqüência.
Embora tenha um fator sorte um pouco alto nas cartas, a experiência pode reverte-la em vantagem para o jogador. Sem dependência de texto e super rápido de se ensinar, torna-se quase intuitivo.

O design é de Rüdiger Dorn (Goa, Cartagena) e a arte fica por conta do excelente Michael Menzel que confere grande valor ao jogo.

Para quem quer conhecer, existem duas versões online para jogar, em turnos ou em tempo real, que recomendo bastante (as partidas giram em torno de 6 minutos).

Informações adicionais:
2 jogadores
Acima de 8 anos
Tempo médio: 20 min
Valor médio: U$20
Publisher: Kosmos e FFG

Online:

BGG

Ilha

 [publicada na Ludo Brasil Magazine nº16.]

Nenhum comentário:

Postar um comentário