30 de nov de 2011

Sabadão em dose dupla! - parte I

Nesse último sábado de Novembro, duas jogas rolaram por aqui. Enquanto a Lu ia ao Castelo fechar o mês com chave de ouro (leia a parte 2), eu aproveitei uma viagem com alguns amigos, ainda não iniciados, para lhes apresentar alguns dos jogos modernos. 

Fomos cedo para Itaipuaçu, um distrito de Maricá (RJ), cerca de uns 40 minutos do Rio, passar o final de semana ao lado de amigos que não via há algum tempo, uns de tão perto (Lucas, Márcio e Aline), outros de tão longe (Marcílio) e outros novos velhos amigos (Marcelo, Juliana e Livia). O final de semana prometia chuva, mas nem assim a galera desanimou, e assim que deu, se jogaram na piscina, acompanhado, claro, de um belo churrasco. A joga teria que ficar pra noite, mas tudo bem.

Marcelo se entrega à piscina, mesmo sob chuva.


BANG!
4 a 7 jogadores / +8 / 30 min

“No velho oeste, o Xerife, auxiliado pelos seus dois vices, precisa manter a ordem e caçar os foras-da-lei, mas eles e um renegado só querem a cabeça do xerife! É um jogo de mata a mata com muito blefe, duelos, dinamites e cerveja.”





Enquanto Marcelo caprichava no lanche da noite, aproveitei que o pessoal estava todo sentado à mesa conversando pra puxar um Bang! No começo ficaram um pouco assustados, mas não demorou para Aline, Livia, Márcio e Lucas entrarem no clima do faroeste.

Pra variar, me saiu o Renegado! Lucas era o Xerife, e tratei logo de mandar o caô do vice. Mal sabia ele que sua vice, Aline, também estava tentando protegê-lo. Já Livia e Márcio formavam a dupla de bandidos mais hilária que já vi! XD Digamos que, com um pouco de "birra" no sangue, qualquer carta vira "Bang", qualquer "prisão" vira "mancato" e por aí vai! Rimos muito com isso, mas eles morreram logo deixando o jogo entre os mocinhos. Pra minha sorte, Lucas achava que Aline era mesmo a renegada, o que facilitou bastante meu trabalho.

O duelo final entre nós dois foi um dos mais longos que já vi, e o que foi mais impressionante, com uma dinamite na mesa que não explodia nunca. Estávamos tensos já, vendo todo mundo terminando de lanchar, e ninguém conseguia matar o outro.
Finalmente a dinamite explodiu com o Lucas, e comemorei muito a vitória, dando por encerrada a partida.

DIXIT
3 a 6 jogadores / +8 / 30 min

"Diante de várias belas imagens, um jogador será o “narrador”, aquele que dirá em voz alta o que a carta escolhida por ele significa. Os demais jogadores deverão escolher, da sua mão, uma carta que se assemelhe a descrita pelo narrador. Todas serão embaralhadas, e todos devem tentar adivinhar qual era a carta original.”

Depois de todos terem sua fome saciada (não vou entrar em detalhes sobre a conversa nada glamourosa que rolou enquanto comiamos, eca) e resolvemos entrar pra jogar Dixit. O jogo caiu como uma luva pro pessoal! Tivemos que forçar a barra pra sete jogadores (eu, Lucas, Márcio, Marcelo, Livia, Marcílio e Aline), enquanto Juliana só assistia e depois foi dormir (como ela conseguiu é um mistério, visto o barulho que fizemos).


Dixit é um jogo tão eclético, que mesmo já o tendo jogado várias vezes, ele se apresenta como algo totalmente novo, pois o grupo é diverso, e esse jogo é diretamente relacionado a quem está jogando, pois tudo depende de como as pessoas interpretam as cartas. E no quesito interpretação, as da Aline entraram para a história! Foram 3 versões que acabaram caindo no gosto do pessoal, principalmente do Marcelo, que não se cansava de repetir: "muahuahuahauhau", "oh" e "vushhhhhhh", rsssss. O engraçado era ver o nível da concentração da Aline para transmitir o conteudo das cartas, e depois ninguém conseguia acertar as dela, nascendo a "carta-conceito"!

Marcílio com suas cartas Dixit na rodada "Exaltasamba".

Viagem mesmo foram as dicas da Livia, doidinha já, que Rihanna virava Ruana, Joana, Joaninha!!!! Tudo a ver! ^^ E o "Exaltasamba" então, ninguém passou perto, a carta certa era dos astros e a maioria votou nos pintinhos (vide foto acima). Isso pra não comentar, já o fazendo, quando a flagramos com umas sete cartas na mão! tsc tsc

Livia: "Ué, não pode ir comprando cartinha, não?" Muito figura!
 Mas os dois mais bullynizados fomos eu e Lucas. Quando a imaginação falha, você apela para algo que já usou em outra partida, mas como eu disse, pessoas diferentes fazem o jogo diferente, e minha carta "Escher" foi judiada, tadinha, pois não captaram o espirito. Só não foi pior que "Ariadne e o novelo" do Lucas, que só ganhou o meu voto, e meia hora de riso do povo, incorformados com mitologia grega e com direito a uma saída estratégica do Marcílio!

Marcelo ao fundo procurava ajuda no youtube, e Lucas sofrendo bullying por conta da mitologia.

A turma gostou tanto do jogo que não admitiram que ele acabasse quando as cartas terminaram. "Vamos até 30 pontos!", eles pediram. Embaralhamos as descartadas e continuamos. Mas quando Lucas cruzou os 30 pontos, "não, vamos fazer mais uma volta!". Bom, não tive nem como argumentar, eles estavam no calor do momento e continuamos. Aos 40 pontos o grupo começou a se cansar, o que é natural, afinal, estavam prolongando a vida do jogo, e já era mais de uma da manhã. Então a Livia desistiu e o restante da galera continuou até o fim.

Lucas confirmou sua colocação, sendo o campeão Dixit da noite:
Lucas 60 pontos
Aline 56 pontos
           Marcelo e Marcilio 52 pontos
           Renata 45 pontos
           Márcio 44 pontos
           Livia (desistiu)

Saldo positivo, o pessoal se divertiu, arrancou boas e memoráveis risadas e ainda consegui arrumar mais um fã de boardgame: Marcelo logo logo começará a frequentar o Spoleto e se render ao "vicio-viciante" dos tabuleiros.
Enquanto o pessoal se arrumava pra dormir, deu tempo de apresentar o Coloretto e o Catan ao Marcelo, mas estava tarde pra jogarmos e já estávamos sendo expulsos do quarto :)

SABOTEUR
3 a 10 jogadores / +8 / 30 min

"Anões escavam uma mina em busca de ouro. Mas entre eles há sabotadores que atrapalharão seu caminho! Um jogo de blefe entre mineiros e sabotadores."



No dia seguinte, enquanto uma chuvinha fina teimava em cair, montei uma mesa de Saboteur com Márcio, Lucas e Juliana. Como sempre, todo bom mineiro vê sabotadores por todos os lados. Na primeira ação do Márcio, já criou-se uma suspeita, mas foi infundada, era apenas dúvida de iniciante. Em seguida, Juju lascou uma carta de interrupção de caminho, e claro, fui eu gritar "Sabotadora!", ela riu, e continuou jogando no estilo matadora, só interrompendo os caminhos, e eu e Márcio tentando prendê-la, mas ela sempre conseguia se libertar, incrível. E, enquanto isso, Lucas, com sua face angelical e ingênua, se fazia de sonso a cada desespero meu quando ele colocava as cartas para o lado errado. Estava tão convicta da postura da Ju como sabotadora, que nem passou pela minha cabeça que o Lucas estivesse jogando "errado" de propósito. Pois estava, mas mesmo assim, os mineiros conseguiram chegar até a pepita, e vimos que o sabotador de verdade era o Lucas e Juliana era a mineira vira-casaca >.<".

Não tivemos chance de continuar a partida, porque o sol tinha acabado de sair por detrás das nuvens de chuva, e rolou uma debandada pra piscina.

Mas valeu. As partidas, apesar de poucas, foram bem divertidas, e a chance de apresentar jogos novos ao pessoal sempre é válida. Espero que gere bons frutos e que a gente consiga se reunir mais vezes, pra jogar, pra cantar, pra se divertir. Valeu galera #FAF! Sejam, também, bem-vindos ao Desbussolados! ;)

Marcelo, Juliana, Marcilio, Livia, Márcio, Lucas e Aline: galera FAF.

*FAF: Fly Away Friends = Lambs = fãs de Mariah Carey ;)

25 de nov de 2011

Spaghetti: report e novas diretrizes em prol dos gamers cariocas

PARTE I: Report
 
Quinta-feira é dia de Spaghetti! Cheguei correndo para conhecer mais uma novidade de Essen. Victor, Filipe e o Igor estavam me aguardando. Igor é de Fortaleza, vivia em Campinas e, como acabou de se mudar para o Rio, veio conhecer o evento e saber o que jogamos por aqui.

SHITENNO
2 a 4 jogadores / +12 / 60 min

"Shitenno leva-nos para um Japão dos finais do século XVI, dominado pelas lealdades dos Shogun; trata-se de um jogo de gestão de influências e territórios, muito fácil de aprender segundo a editora mas complexo de dominar."



Neste jogo conseguimos pontos de influencia apenas através de duas forma, militar ou financeira. Neste lindo tabuleiro temos províncias onde colocamos nossos marcadores pagando o preço do lugar disponível ou apresentando cartas com as tropas que estão sendo pedidas em cada uma das províncias. Existem ainda personagens que trocamos a cada rodada com alguns efeitos diferenciados. Mas a grande mecânica desse jogo é a forma de conseguir cartas de dinheiro ou de tropas! Oito cartas de tropas e quatro cartas de dinheiro são abertas na mesa junto com os quatro personagens existentes, o start player cria um grupo com apenas um personagem e quantas cartas quiser, depois oferece na ordem do turno para cada jogador, o jogador que aceitar fica com as cartas e sai da seleção e o start cria outro grupo para ser escolhido. Se nenhum jogador quiser o dito lote, o start fica com ele, ou seja, a manha e a complexidade do jogo é criar lotes não muito bons nem muito ruins caso você acabe ficando com ele. Nesta fase o tempo demooora a passar. A arte do jogo é impecável, tem boa interação e sua mecânica surpreendeu bastante. Igor, recém chegado, levou a vitória!
Filipe, Igor e Victor.

Durante nossa partida poucos gamers foram chegando e montando suas mesas. Dois grupos foram criados. Um grupo de quatro pessoas chegou trazendo Race for the Galaxy e Eaten by Zombies.

Eaten by Zombies.


TIGRIS E EUPHRATES
2 a 4 jogadores / +12 / 90 min

“Comande uma jovem dinastia na fértil Mesopotâmia. Esforce-se para desenvolver e controlar as mais vibrantes culturas na rica terra entre os dois rios. Crie o melhor balanço entre mercados, templos, colônias e fazendas, enquanto você e seu povo tentam forjar sua própria nova civilização e dominar os famosos vales do Tigris e do Eufrates.”
 
Peter que levou um enorme bolo (sem direito a calda de chocolate) ficou observando nossa partida até chegar mais alguém pra jogar e salvar sua noite. Nuno chegou juntamente com Bouzada e se juntaram ao Peter e mais um gamer que também observava nosso jogo.



Colocação:
Bouzada: 4 pontos
Peter / Nuno / ? : 3 pontos


Tigris e Euphrates em andamento.
Depois de vencer em Tigres, Bouzada, surpreendentemente, saiu mais cedo da jogatina. Os demais puxaram uma homenagem ao Peter que ainda não havia engolido seu bolo e jogaram Sant PETERsburg. Mesmo ficando em terceiro, Peter saiu com uma aparência menos desolado da mesa.


Enquanto isso em nossa mesa, LePe substituiu Igor para jogarmos Belfort. Pelo menos tentamos. Porque depois de montar o tabuleiro e separar todas as pecinhas, Victor percebeu que não levara as cartas e sem as mesmas não haveria jogo. FonFonFon...

STEAM
3 a 5 jogadores / +10 / 120 min

"Da família de Age of Steam and Railroad Tycoon, o jogo é uma reimplementação do primeiro com modificações de mecânicas e da arte."



Foi uma saga escolher outro jogo, mas venceu Steam. Um jogo econômico de Martin Wallace o autor mais barra pesada e mal amado que conheço. Apesar de gostar de seus jogos, precisamos admitir: o cara adora nos ver atolados em contas, empréstimos e pontuações negativas no tabuleiro. E nos adoramos isso! (Hã?) Nossa partida de Steam não foi diferente. LePe acabara de ser apresentado ao jogo mas nada o impediu de inflacionar os lances e levar a galera ao atoleiro total. Foi uma partida tensa, com muita rivalidade no ar. Ofensas de diferentes níveis. E o jogo terminou com uma contagem apertadíssima. Victor desiludido com sua performance durante a partida deixou o Spoleto sem sequer conferir a pontuação final alegando acordar cedo no dia seguinte. Fizemos a burocracia e entendemos os reais motivos dele.

Colocação:
Filipe 44 pontos
Lepe 43 pontos
           Lu 40 pontos
           Victor 24 pontos

Encerro minha humilde cobertura desta quinta e passo a palavra para Rê Palheiros que tem uma anúncio para fazer.


PARTE II: Novas Diretrizes
 
Há quase dois anos atrás o Spoleto Real Grandeza tornava-se mais uma casa aos amantes de jogos de tabuleiro cariocas com o Spaghetti das Peças, reunião informal entre amigos para curtirem o happy hour de quinta-feira de forma lúdica.

Pouco a pouco o público foi crescendo, veio o 1º Campeonato de Catan, a casa passou a sediar também o evento Torre das Peças aos sábados e consolidava-se ali uma parceria fiel e de sucesso: boa comida, bons jogos e muitos amigos.

A sede do Spaghetti das Peças foi transferida para o Largo do Machado, mas o ambiente continuou o mesmo, o Restaurante Spoleto. E, de repente, tornou-se a principal referência do hobby no Rio, passando a abrigar os três maiores eventos da cidade (Spaghetti, Torre e Castelo das Peças). A cada semana, mais e mais pessoas tem a oportunidade de se divertir e encontrar os amigos nesse local.

E é para que ele continue existindo e nos proporcionando tantos momentos memoráveis (registrados pelos blogueiros cariocas, pelos celulares oculares e principalmente pela nossa memória afetiva) que uma pequena medida foi bastante discutida e teve aprovação unânime da galera que faz parte da lista de discussão do evento. Em auxílio as despesas de manutenção do restaurante, que permanece aberto além do horário apenas para nos atender, a partir da próxima semana, passa-se a cobrar um pequeno valor de R$10,00 de consumação mínima para os participantes do evento. Essa medida vem apenas amenizar os gastos com pessoal e manutenção da loja, e garantir que o Rio não perca essa que já é a casa carioca dos jogos.

Então, pessoal, não deixem de aproveitar suas quintas e sábados! Vão se divertir, mas lembre-se, e não custa nada, ajude na arrecadação consumindo no próprio local. Bons jogos, boas massas e nos vemos lá ;)

23 de nov de 2011

Jogatina Express

Por Luciana Azevedo
(com comentários maliciosos de Rê Palheiros)

Neste sábado nos reunimos para uma jogatina incomum com poucos jogos, pouca gente, pouca comida e nenhuma bebida por uma falha na organização: o Gian se deu umas férias, volta Gian! (*plaquinha: Gian para presidente!*). Mas o resultado foi fantástico.

VANUATU
3 a 5 jogadores / +13 / 90 min

“Você é um “Vanuatuniano” e precisa prosperar durante os oito turnos do jogo, gerenciando os recursos naturais, itens raros, vatus (moeda local) e turistas. Para ganhar dinheiro ou pontos de prosperidade, você também pode desenhar na areia, transportar turistas por todas as ilhas de Vanuatu  ou negociar com países estrangeiros.”

Com cinco pessoas reunidas iniciamos um mesão de Vanuatu. Enfim tive o prazer de ser uma vanuatuana ajudando a explorar as ilhas de Vanuatu enquanto pescava, descobria tesouros, desenhava na areia, carregava turistas e vendia meus peixes. Como se pode perceber, a temática é simples, leve e divertida. Leandro fez uma learning session porque eu, Gian, Warny e Peter não havíamos jogado ainda. O jogo rolou bem com cinco pessoas e foi muito interativo.
A partida começou com Peter disparado na frente mas a vitória ficou para Leandro, o Vanuatuano do ano!

Detalhe do tabuleiro.
 Daniel, que passara o dia dormindo, enfim se rendeu a jogatina e percorreu um longo caminho até a gente (ironia). Victor, que estava com outros players (traidor!), cedeu ao nosso charme e também veio ao nosso encontro. Rê Palheiros, que estava na senzala (cupishhh), conseguiu achar sua carta de alforria (temporária) e correu para a diversão. Selecionado os interesses individuais seguimos em duas mesas Essen.
Warny puxou mais uma vez Trajan com Peter, Renata e Daniel. Ela quem vai lhes contar o desenrolar da partida...

TRAJAN
2 a 4 jogadores / +12 / 90 min

“Ambientado na Roma Antiga, os jogadores devem aumentar sua influência e poder em várias áreas da vida romana, como influência política, comércio, domínio militar e outros itens importantes da cultura romana. O jogador tem seis ações possíveis: construção, comércio, levar tiles do fórum, uso militar, influenciar o Senado, e colocar tiles de Trajan em seu quadro.”


Já em pânico por ter tido poucas opotunidades de conhecer as novidades, corri para a casa da Lu para tentar jogar o Trajan, e o tempo deu certinho! Warny apresentou o jogo a mim e ao Daniel, pois Peter já o conhecia, e essa divisão se manteve ao longo do jogo.

Na Roma Antiga, precisamos nos desdobrar em 20 para conseguir pontos de influência junto a diversas áreas, como politica, militarismo e sociedade. A princípio parece ser um pouco caótico essa gama de opções, mas em pouco tempo percebe-se que a melhor tática é a militar.

Infelizmente não basta apenas tomar conhecimento, pois o que determina nossas ações é um sistema de rondel (que lembra o Macao), e nem sempre a droga do cilindro pára aonde você quer, e um ou dois turnos que você perde, você REALMENTE perde a chance de fazer pontos. É fundamental tentar pontuar em cada jogada, por mínimo que seja. Mas não consegui, nem de longe. 

Enquanto isso, Warny e Peter se revezavam na distante pontução, alternando jogadas combos que rendiam de 20 a 36 pontos de uma vez! E do outro lado do tabuleiro, eu e Daniel lutávamos para ver quem seria o lanterna. Disputa igualmente acirrada. ^^

Ótimo jogo da nova safra, mas não se deslumbre com "várias possibilidades de vitória", não caia nessa. :P
Colocação:
Peter 195 pontos
Warny 189 pontos
           Rê 131 pontos
           Dani 130 pontos

Peter, Renata, Warny Mega-Combo e Daniel.

DRUM ROLL
2 a 4 jogadores / +12 / 90 min

"No começo do século XX, quatro circos viajam pela Europa, apresentando seus espetáculos e encantando o público. Cada jogador comanda um desses circos, e deve providenciar que o show seja o melhor possível, contratando artistas, comprando equipamentos, figurino e pessoal. Após 3 espetáculos, aquele que conseguir mais pontos de prestígio é o vencedor."



Victor e eu nos embrenhamos mais uma vez no mundo de magias e encantos de Drum Roll, que foi detalhadamente resenhado aqui, juntamente com os iniciantes Leandro e Gian. A partida começou tensa com a assimilação dos detalhes do jogo, e depois da primeira semana de trabalho duro, ficou tudo compreendido. Gian que precisava de mais um dia para se preparar para o espetáculo perdeu a votação e amargou perdas por isso. Na segunda semana, foi a minha vez de necessitar de mais um dia, mas também perdi na votação e amarguei fortes prejuízos. Com isso, Leandro sofria semana após semana para pagar os salários de seus inúmeros assistentes mais os artistas, e conseguiu.
Mas a vitória ficou mesmo com o Victor.
Leandro, Victor, (Mel) e Gian.
Ainda rolou uma partida de 1655 - Habemus Papam com Warny, Peter e Dani, e o resultado foi:
Colocação:
Dani: 19 pontos
Peter: 18 pontos
           Warny: 15 pontos


Com isso acabamos nossa jogatina. Amanhã estaremos cobrindo o Spaghetti. Aguardem...

Em tempo: gostaríamos de agradecer "humirdimenti" a audiência e aos nossos velhos e novos visitantes. A cada dia que passa o número de leitores aumenta, e o blog, que era apenas uma forma informal de registro de jogatinas, passa a ter um papel mais importante. E isso só é possível graças a vocês, então, valeu, galera desbussolada! E obrigada por passarmos a marca de  5.000 visualizações! Rumo às 10 mil. ;)

21 de nov de 2011

Dominós de chocolate



O CHOCOLATE

Num de meus momentos chocólatra, eis que descubro que posso unir dois vícios em um. Pegando emprestado a função do “Coma-me se Puderes”, hoje o Desbussolados vai falar dele, o máximo, o poderoso, rei de qualquer jogatina: o Senhor Chocolate! (palmas)

Brincadeiras a parte, a Hershey’s colocou no mercado recentemente o “Hershey’s Mais”, um biscoito waffer coberto de chocolate, no mesmo estilo "Bis" (da Lacta) ou "Sem Parar" (da  Nestlé). O produto vem com três embalagens surpresas diferentes, cartoon, pop art e (a que nos interessa) dominó.

Com a primeira caixinha, não deu tempo de conferir as “peças”, porque o que estava em jogo era o sabor, e ele é muito bom, tanto o tradicional de chocolate, quanto o de chocolate branco com cookies.

O design deixa bem a desejar, não gostei de nenhum das embalagens dos chocolates, mas achei muito interessante a iniciativa de se diferenciar um produto cuja concorrência já está há bastante tempo no mercado. Junte-se a isso um preço mais competitivo e vai entender porque eles estão sumindo das prateleiras rapidamente.

O DOMINÓ

Jogando dominó com chocolate.
Comprei uma segunda caixa, agora pra conferir a “jogabilidade” do produto, porque, CLARO, que imaginei brincar com o chocolate antes de comê-lo (ainda mais estando minha quantidade de consumo do mesmo bastante restrita por força maior). Cada caixinha vem com 18 “peças” aleatórias, infelizmente não dá pra completar o conjunto normal, mas mesmo assim, é possível simular uma partidinha. Ou se você for mais fanático, pode comprar mais de uma caixa pra completar o jogo.

Detalhe das "peças" (foto do blog A Mesa Posta)


Minha proposta é: quem vencer, ganha a maioria das peças (as da mesa), e quem perder fica com as que sobraram (as que não puderam ser jogadas).

Boa diversão e comilança a todos os desbussolados, por jogos, e claro, por chocolate também!

16 de nov de 2011

Sabadão na Torre Eclética

Com um público de 45 pessoas, a última edição da Torre das Peças teve jogos para todos os gostos. Enquanto uma galerinha continuava no ritmo Essen (trazendo seus jogos novos para a apreciação no evento), outros preferiram os clássicos. Tivemos a presença de novas figurinhas e sentimos a falta de velhas figurinhas que não estiveram presentes.
Galerão tomou conta do Spoleto.
Cheguei com cara de poucos amigos e com vontade de logo ir embora. Como vocês devem imaginar, não foi isso o que aconteceu. (NE: risos!) Fui logo abduzida numa safra de Essen que chegou por aqui antes mesmo do lançamento na feira: Discworld

DISCWORLD - Ankh-Morpork
2 a 4 jogadores / +10 / 60 min
 
"Na cidade de Ankh-Morpork, em Discworld, Lord Vetinari desapareceu e certas facções estão tentando tomar o controle de sua cidade. Cada jogador tem uma personalidade secreta com condições de vitória específicos, o que significa que você não tem certeza exatamente o que os outros jogadores precisam fazer para vencer. Todos devem tentar colocar minios (pessoas) e edifícios através do uso de cartas, são 132 ao todo, e basta jogá-la fazer o que ela diz ." 

Warny não o conhecia, e Leandro e eu lhe apresentamos o jogo. Em Discworld você precisa reagir o tempo todo a cada modificação ocorrida no tabuleiro. Essas modificações ocorrem por vontade voluntária do jogador tentando se beneficiar ou prejudicar os outros e ocorre através de alguns eventos que entram em cena prejudicando a qualquer um inclusive o próprio jogador que lançou a carta. Parece que essa mecânica não agradou ao estilo do Warny que o achou muito caótico.
E a vitória ficou com o Leandro.

Lu, Leandro e Warny em Discworld.

AUTOMOBILE
3 a 5 jogadores / +12 / 120 min

"Construa carros de todos os tipos num dos melhores jogos econômicos de Martin Wallace."





Ao lado, a diretoria preparou um mesão de Automobile. Jogo econômico e extremamente temático. Eles iniciaram uma saga que durou algumas horas.  
Terminando com a vitória do Groo!
Balard, Nuno, Fel, Bouzada e Groo administrando veiculos.

Ao fim de Discworld, fizemos uma pausa para almoço. Outras partidas foram acabando, outras pessoas foram chegando e as mesas se modificando. 

URBAN SPRAWL
 2 a 4 jogadores / +12 / 180 min 

 "Os jogadores assumem os papéis de magnata, empresário e político - cada um ajudando no desenvolvimento hipotético de um "Anywhere, EUA". Riqueza e Prestige serão ganhos ao longo do jogo. Edifícios irão subir para depois serem demolidos, abrindo caminho para algo melhor e maior."




Victor chegou com suas novidades e fomos explorar o universo de Urban Sprawl. Os relatos sobre o mesmo chama a atenção para ele, entretanto a minha experiência do jogo não foi muito boa. Nele temos que desenvolver uma cidade. Existem cartas que nos ajudam na construção e cartas de efeitos variados. Ai começam os problemas. Tem cartas com efeitos muito fortes. Todas tem efeito destrutivo e ajudam muito pouco. Sabendo disso talvez o autor tenha colocado cartas e outras maneiras que ajudam ao último jogador recuperar seus pontos, mas este mecanismo acabou deixando ainda mais caótica a partida. Por fim, o jogo gerou enormes risadas de tão aleatórias que eram algumas cartas.
Enquanto Leandro, apesar de ter vencido, não parava de repetir que não via a hora da partida acabar.
Leandro, Victor e Caldas desenvolvendo cidades.


MACAO
2 a 4 jogadores / +12 / 90 min

"No final do século 17, Macau, a cidade portuária misteriosa na costa sul da China, é um entreposto comercial Português no Extremo Oriente. Os jogadores assumem o papel de aventureiros e deverão transportar especiarias para a Europa."




Warny foi fazer o seu papel de anfitrião e sentar-se junto a uma turma animada e com sede de novas experiências. Decidiu apresentar-lhes Macao contra a vontade de Fel que temia que a complexibilidade deste jogo assustasse o pessoal. Mas parece que não foi isso o que aconteceu...
Marcos(a dir) de volta as jogas com Macao.

A turma de Macao surpreendentemente não se traumatizou e encarou um The Speicherstadt na sequência.

The Speicherstad.

DOMAINE
2 a 4 jogadores / +12 / 90 min

"Tente  formar domínios, colocando muralhas no tabuleiro modular. Os domínios completos podem, então, ser expandidos, mesmo invadindo os de seus oponentes, e são protegidos pelos cavaleiros. As ações são realizadas, jogando-se cartas que têm um custo associado a elas. É possível ganhar dinheiro, vendendo cartas e controlando minas."


Nuno colocou na mesa o Domaine que acabara de receber do Fel. Caso o jogo não lhe agradasse ele poderia colocar a venda ali mesmo. Ele gostou e o jogo vai pro seu acervo pessoal.
Vitória do Bouzada.
Peter, Nuno, Balard e Bouzada, quem dominou?

COLONIAL
3 a 6 jogadores / +13 / 120 min

"Entre a Renascença e a Revolução Industrial, colonizadores se lançavam ao mar em busca de novas terras para colonizar. Navegando em busca da supremacia cientifica, missões e negociando especiarias."


 


Ao final de Urban Sprawl, The Speicherstadt, Domaine e com a chegada de novos players foram criadas novas mesas de Colonial, Vanuatu e Singapore. Fel queria testar seu novo Essen e convocou Daniel Balard para lhes ensinar a regra certa. Ray num raro intervalo de estudo veio baixar sua ansiedade travando batalhas num mundo ainda não colonizado. Boa temática, excelente arte gráfica e regras de combate um pouco confusas. Este jogo vai agradar quem gosta deconfrontos diretos entre os jogadores.
Vitória do Fel.

Desbravadores: Brass, Fel, Groo, Balard e Ray.

VANUATU
3 a 5 jogadores / +13 / 90 min

“Você é um “Vanuatuniano” e precisa prosperar durante os oito turnos do jogo, gerenciando os recursos naturais, itens raros, vatus (moeda local) e turistas. Para ganhar dinheiro ou pontos de prosperidade, você também pode desenhar na areia, transportar turistas por todas as ilhas de Vanuatu  ou negociar com países estrangeiros.”

Victor, Bouzada, Leandro e Caldas juntaram-se em Vanuatu. Essen que vem surpreendendo e agradando a cada um que cai em suas teias. Ainda não tive o prazer, mas minha curiosidade e interesse aumentam proporcionalmente ao numero de partidas que não consigo jogar.
Bouzada, Leandro, Victor e Caldas na ilha de Vanuatu.


SINGAPORE
3 a 4 jogadores / +12 / 90 min


"Os jogadores são mercadores ricos que estão negociando para desenvolver esse pequeno posto avançado de uma metrópole, Singapura. Todos iniciam com seu próprio prédio, mas devem conseguir outros ao longo do jogo."


 
Eu? Fui me aventurar numa terra de ninguém, lugar sem lei e que vive com medo da presença policial. Em Singapore por mais que tentemos andar na lei, fazendo apenas negócios legítimos e dentro da lei, os tiles ilegais e que chamam a policia são aqueles que dão os melhores recursos, oferecem as melhores trocas e tem os efeitos mais interessantes. Quem consegue andar na lei desse jeito? Com mecânicas de citybuilding enquanto vamos colocando os tiles e com um tipo novo de work placement utilizamos nossos operários para se mover no tabuleiro captando recursos e trocando por dinheiro e pontos de vitória. Mas toda vez que tile de cor preta é utilizado, o jogador que o fez pega uma peça randômica num saco. Se for um círculo preto, o jogador coloca na sua frente se for um circulo branco é porque bateu polícia! E neste momento todos os jogadores devem mostrar seus recursos escondidos no biombo, quem tiver o maior somatório de cubos de ópio e círculos pretos na sua frente vai ter que pagar pra polícia o mesmo valor em dinheiro. E se não tiver dinheiro para pagar, paga-se com pontos de vitória!
Piratas do Contrabando!
Durante todo o dia o público não parava de chegar, invadindo a área não reservada e abrindo mesas variadas, confira:
7 Wonders + Leaders.
The Swarm

Citadels
Eminent Domain
Luna
The Speicherstadt

Torres

Elder Sign

Prêmio pontualidade para Fel, que contrariando toda sua má fama, vem surpreendendo nas últimas semanas e neste sábado chegou cedo e saiu tarde.